COP-25 trata transformações climáticas em Madri

Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas está em sua 25ª edição e reuniu mais de 200 países para conter os avanços de eventos climáticos extremos no mundo

 

De 02 a 13 de dezembro, aconteceu a 25ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-25), em Madri (Espanha). Participaram representantes de quase 200 países, totalizando quase 29 mil pessoas. Com o slogan “Hora da Ação” (Time for Action), líderes mundiais enfrentam crescente pressão para evitar os impactos mais catastróficos do aquecimento global. Desde 2015, quando foi assinado o Acordo de Paris, um grande acordo climático global, as conferências do clima anuais têm se dedicado a como colocá-lo em prática.

Entre as discussões, foram abordados temas como o “novo” fundo Amazônia, que se refere a uma nova proposta de fundo de preservação da floresta apresentado aos antigos doadores Alemanha e Noruega; mercado de carbono, que sugere que os antigos créditos gerados na época do Protocolo de Quioto possam ser usados no âmbito do Acordo de Paris; e “Fóssil do Dia”, prêmio irônico dado ao Brasil, junto à Austrália e o Japão, por uma rede de ONGs que está “fazendo o seu melhor para bloquear o progresso nas negociações”. O prêmio reforça as críticas às políticas ambientais dos países, que já vêm sendo apontadas pela comunidade internacional.

Apesar das críticas à política nacional para meio ambiente, Ricardo Salles, Ministro da pasta, foi um dos poucos a marcar presença na primeira semana. Para a segunda, todos os países enviaram representantes. A delegação brasileira ficou completa na segunda semana, com participação dos Presidentes das Comissões de Meio Ambiente do Senado, Fabiano Contarato e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Agostinho, ambos críticos das políticas ambientais do atual governo.

O principal desafio da COP 25 foi acelerar o combate às mudanças climáticas. Eventos climáticos extremos no mundo inteiro, como enchentes e queimadas, estão ligados ao aquecimento global causado pelo ser humano, conforme demonstram estudos científicos realizados em diferentes países e o desafio é adequar as novas tecnologias e avanços aos fatores estipulados nas discussões da reunião.

Fonte: BMJ Consultoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *