Segundo pesquisa adoçantes não alteram nível de glicose no sangue

Adoçantes não calóricos são úteis como ferramentas adjuntas no tratamento ou prevenção da obesidade, quando usados como substituto dos açúcares.

As doenças crônicas representam um problema de saúde pública em todo o mundo, respondendo por aproximadamente 70% das causas de morte. Assim, aumentou a preocupação com aspectos relacionados à saúde, incluindo a manutenção do peso corporal e níveis adequados de glicose.

Esse processo levou a indústria alimentícia a pesquisar, formular e descobrir opções de adoçantes que ofereceriam ao consumidor um sabor adocicado, mas sem calorias ou com conteúdo reduzido. O resultado foram os adoçantes.

Os edulcorantes não calóricos são agora mais usados como uma ferramenta adicional para ter um peso saudável e, no caso do diabetes, ainda ter um sabor adocicado na dieta sem alterar os níveis de glicose no sangue. Além disso, a evidência clínica mostrou que eles são seguros para o corpo e, portanto, podem ser consumidos sem preocupações. Adoçantes não calóricos são algumas das substâncias mais avaliadas pelas autoridades de saúde em todo o mundo, o que gera mais confiança na população.

No entanto, embora a sua popularidade tenha aumentado, ainda há discussões sobre os benefícios reais dos adoçantes não calóricos, especialmente no caso de indivíduos com obesidade ou diabetes.

Para responder a essas e outras perguntas, Iara Pasqua, nutricionista e consultora de Salud en Corto, responde as principais dúvidas sobre os adoçantes não calóricos com base no Consenso publicado pela Associação Latino-Americana de Diabetes.

1. Adoçantes e controle de peso

Os cientistas concluíram que os adoçantes não calóricos são úteis como ferramentas adjuntas no tratamento ou prevenção da obesidade quando consumidos como substitutos dos açúcares. Portanto, é essencial que seu uso seja acompanhado de um plano alimentar equilibrado que limite o consumo de carboidratos e energia para que os adoçantes funcionem como substitutos.

2. Adoçantes e diabetes

Várias agências de saúde, particularmente a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), determinaram que o uso de adoçantes não calóricos resulta em um aumento menor nos níveis de glicose no sangue do que os açúcares comuns.

Finalmente, os cientistas enfatizaram que os adoçantes não calóricos não afetam o apetite e são seguros para crianças e mulheres grávidas. Como explicaram, avaliações de organizações internacionais mostraram que elas podem ser consumidas em diferentes fases da vida e até enfatizaram que, no caso de crianças com diabetes, obesidade ou síndrome metabólica, elas podem ser uma ótima alternativa para neutralizar essas condições.

Acredito que a mudança de comportamento acontece com informação, conhecimento. A educação alimentar pode mudar o comportamento das pessoas levando-as a escolher hábitos mais saudáveis, conclui a nutricionista.

Fonte: Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *