Câncer de mama tripo negativo pode ser de origem hereditária

Boa parte dos casos de câncer de mama triplo negativo no Brasil pode ser de origem hereditária. Essa foi a constatação de uma pesquisa conjunta do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C.Camargo Cancer, com apoio da Fapesp.

“Identificamos que um percentual importante dos tumores de mama triplo negativo apresenta mutações patogênicas no gene BRCA1 e a maioria é de origem germinativa. Isso os classifica como tumores hereditários e a família das pacientes diagnosticadas tem risco de desenvolver câncer de mama”, declarou Dirce Maria Carraro, coordenadora do estudo do A.C.Camargo Cancer Center.

Por esta razão é que as pacientes diagnosticadas com este câncer de mama, como a atriz norte-americana Angelina Jolie, sabem do grande risco de desenvolver a doença.

O câncer de mama triplo negativo é muito agressivo e está relacionado a 20% dos casos. “Dados da literatura mostram que entre 60% e 80% das mulheres que apresentam mutação no gene BRCA1 desenvolvem câncer de mama triplo negativo e entre 8,5% e 30% das pacientes diagnosticadas com esse subtipo de tumor têm mutação nesse gene independentemente do histórico familiar de câncer”, disse a coordenadora.

Em 2013, a equipe da pesquisadora avaliou um grupo de mulheres com câncer de mama com menos de 35 anos, e constatou que 50% das pacientes com tumores triplo negativo tinham mutações germinativas no gene BRCA1. Desta maneira, um número maior de mulheres diagnosticadas com câncer de mama triplo negativo até 40 anos tiveram estas mutações germinativas. As pacientes entre  40 a 50 anos ou com idade superior apresentaram um número menor.

Os tratamentos convencionais para o câncer de mama triplo negativo são baseados em quimioterapia. Segundo a médica, as pacientes que apresentam mutação no gene BRCA1 respondem de forma mais eficiente à quimioterapia. “Isso pode causar a morte das células tumorais de forma mais eficaz e refletir em uma melhor resposta do tratamento”, finalizou.

Com informações do portal Fapesp – 25.5.15

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *