Regulamentação dos prebióticos significa passo importante para alimentos no país

Karina Contis Costa, coordenadora do GT de Prebióticos da ABIAD e gerente de assuntos regulatórios para América Latina na Tate & Lyle

Os prebióticos são ingredientes já utilizados pela indústria de alimentos com diversos benefícios, porém seu conhecimento ainda é restrito entre os consumidores.

Uma vez que a Anvisa tem como um de seus objetivos na agenda regulatória a racionalização das ações de regularização de produtos e serviços até 2023, reduzindo para 300 dias o tempo médio de decisão de processos de avaliação de segurança e eficácia de novos alimentos e ingredientes, algumas empresas associadas da ABIAD visualizaram a importância da regularização do tema prebiótico em alimentos no que tange a definição e uso de “claims funcionais”.

Como retrospectiva mais recente do histórico internacional, em 2000 foi criada uma organização científica sem fins lucrativos, a ISAPP (International Scientific Association for Probiotics and Prebiotics), que, desde sua primeira reunião em 2002, realiza encontros anuais, geralmente nos Estados Unidos ou Europa. A ISAPP organiza fóruns de discussão sobre probióticos e prebióticos, dando notoriedade a novos estudos e evidências científicas importantes para esta área de pesquisa. Em seu último consenso, em 2017, definiu os ingredientes prebióticos como “a substrate that is selectively utilized by host microorganisms conferring a health benefit”, em tradução livre “um substrato que é utilizado seletivamente por microrganismos conferindo benefícios à saúde da pessoa”.

A partir desta definição, pode-se concluir que esses ingredientes são diretamente dependentes do metabolismo microbiano, requerendo um uso seletivo por determinados microrganismos vivos da microbiota humana e assim trazendo benefícios específicos à saúde.

Com a regulamentação/definição do termo “prebiótico” mantendo convergência com as recomendações do Codex Alimentarius e ISAPP (International Scientific Association for Probiotics and Prebiotics), espera-se que os consumidores tenham mais informações sobre os benefícios dos prebióticos, fato que impulsionaria a indústria para novos investimentos em inovação.

 Karina Contis Costa, vice-presidente e coordenadora do GT de Prebióticos da ABIAD e gerente de assuntos regulatórios para América Latina na Tate & Lyle

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *