ABIAD e SBAN fazem webinar sobre recomendações da OMS para ingestão de adoçantes

No dia 15 de setembro, a ABIAD e a SBAN – Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, realizaram o webinar “Panorama sobre as atualizações da OMS sobre as recomendações para ingestão de adoçantes de baixa e sem calorias”.

O evento contou com a participação de três nutricionistas: Marcia Terra, membro da diretoria da SBAN, do conselho consultivo da ANAD – Associação Nacional de Atenção ao Diabetes e da Academy of Nutrition and Dietetics; Luciana Lancha, pós-doutora pelo Institut de la Recherche Agronomique-Paris; e Lara Natacci, pós-doutoranda em nutrição na USP, proprietária e diretora clínica da Dietnet Nutrição Saúde e Bem-estar.

Marcia abriu o evento explicando a estrutura e o funcionamento da OMS, com destaque para o NUGAG – Nutrition Guidance Expert Advisory Group (NUGAG) Subgroup on Diet and Health e seu plano de ação global para prevenção e o controle de DNTs – Doenças Não Transmissíveis, incluindo as recomendações de consumo de açúcar e de adoçantes.

Na sequência, Luciana falou sobre a avaliação de estudos que subsidiaram a construção das recomendações da OMS / NUGAG para ingestão de adoçantes de baixa e sem calorias. Sua apresentação incluiu estudos de impactos sociais e econômicos de DNTs e o destaque de que diabetes e obesidade, duas questões com forte presença da recomendação de edulcorantes por parte dos profissionais da saúde, requerem um envolvimento muito grande dos pacientes, por meio de atividade física e dieta.

Fechando as apresentações iniciais, Lara, tratou da importância do sabor doce na dieta e orientação da OMS para a redução de ingestão de açúcar na prática clínica. Falou sobre a queda na compra de alimentos com açúcares e refrigerantes açucarados ao longo dos últimos anos, mas, por outro lado, o aumento do consumo de outras bebidas açucaradas, especialmente néctares e chás. Teve como principal ponto a substituição do açúcar nas dietas por edulcorantes como forma de auxiliar as pessoas a reduzirem suas ingestões de açúcares para se aproximarem das taxas recomendadas pela OMS.