Fortalecimento do setor de alimentos para fins especiais

Conversamos com Thelma Ramos Teixeira Lahóz Moya, coordenadora dos GTs Enterais e Alifins da ABIAD e gerente de assuntos regulatórios e qualidade da Abbott no Brasil, a empresa associada mais antiga da ABIAD.

PANORAMA – Desde quando a Abbott é associada à ABIAD?

THELMA – A Abbott faz parte do corpo de associados desde o início da criação da Associação, sendo uma honra fazer parte por tanto tempo, principalmente por ser uma entidade que se dedica ao setor de alimentos para fins especiais e que possui uma reputação idônea frente aos órgãos governamentais.

PANORAMA – Qual a importância para a Abbott ser associada à ABIAD? Consegue dar exemplos recentes e históricos?

THELMA – A ABIAD, sempre de forma transparente e íntegra, soube proporcionar um fortalecimento e crescimento ao setor de alimentos para fins especiais.

Na época da revisão das regulamentações de fórmulas infantis e alimentos enterais, o papel da ABIAD foi fundamental nas discussões entre universidades, indústrias e órgãos governamentais para trazer ao setor regulamentações mais atualizadas.

Recentemente, tivemos o resultado da criação da nova categoria de alimentos: suplementos alimentares, sendo um trabalho bastante inovador, robusto e exemplar da ABIAD. Essa categoria trouxe um marco regulatório moderno e dinâmico, abrindo o mercado brasileiro para inovações no setor. Foi um resultado que levou tempo, mas que mostrou o quanto o Brasil é uma potência econômica do setor alimentício, focando sempre na saúde da população.

PANORAMA – É possível relacionar a atuação de associações similares à ABIAD à evolução econômica, social e científica no Brasil? Como?

THELMA – Sem dúvida. A ABIAD demonstra preocupação e cuidado em apresentar o seu trabalho pautado em informações com base econômica, social e científica.

A criação da categoria de suplementos alimentares, desenvolvida e estudada pela ABIAD, possibilitou a abertura do mercado brasileiro para produtos inovadores baseados em ciência. Um exemplo é o crescimento da preocupação da população brasileira em suplementar sua alimentação com o objetivo de fortalecer sua imunidade.

PANORAMA – Você acredita que a indústria e as associações amadureceram no que diz respeito às relações governamentais e assuntos regulatórios nos últimos anos? O que isso significa?

THELMA – Sim, mas acredito que este amadurecimento regulatório e governamental da indústria de alimentos deve ser contínuo, visto que o setor de alimentos vem atuando de maneira crescente na modernização e padronização regulatória, trazendo mais segurança e transparência sobre os produtos alimentícios no Brasil. Esse amadurecimento necessita ser contínuo e aberto aos modelos regulatórios e governamentais internacionais para que a agilidade em inovações do mercado brasileiro seja eficiente.

PANORAMA – Tentando fazer um exercício histórico, mesmo não fazendo parte da equipe que atuou no início da Associação, quais os maiores desafios que a ABIAD teve que superar nesses 35 anos?

THELMA – Acredito que seja desafiador criar uma entidade, unir diferentes empresas com culturas distintas e priorizar suas frentes de atuação, não tirando o foco na saúde do consumidor como bem maior de atuação.

PANORAMA – E quais os principais desafios a serem superados hoje e nos próximos anos?

THELMA – O setor de alimentos para fins especiais possui desafios constantes, pois faz parte de uma categoria de alimentos muito importante à população brasileira. Desta forma, temos o desafio de prover alimentos inovadores com o objetivo de honrar a Política Nacional de Alimentação e Nutrição, ou seja, proporcionar alimentos com ingredientes inovadores e/ou formulações que possam contribuir para uma alimentação adequada aos idosos, pessoas com diabetes, acamados, obesos etc. Toda população pode ser impactada por este setor.

 

Thelma Ramos Teixeira Lahóz Moya

Coordenadora dos GTs Enterais e Alifins e gerente de assuntos regulatórios e qualidade da Abbott no Brasil.