Cúpula de Líderes sobre o Clima reúne tem novos compromissos dos principais países do mundo

Ocorreu no modelo virtual, nos dias 22 e 23 de abril, a Cúpula de Líderes sobre o Clima, convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e com a presença de cerca de 40 chefes de Estado das principais economias do globo.

O evento é um dos mais aguardados mundialmente, tendo em vista as crescentes pressões internacionais pela redução do desmatamento e das emissões dos gases de efeito estufa, e que não decepcionou do ponto de vista de novos compromissos assumidos pelos líderes presentes.

Os países que mais se destacaram pelo arrojo nos compromissos foram:

  • Alemanha – confirmou sua contribuição para a meta da UE de reduzir os gases de efeito estufa em 55% até 2030, falou sobre a importância da precificação de carbono e se comprometeu a controlar a perda da biodiversidade e proteger 30% das áreas terrestres e marítimas.
  • Canadá – anunciou a nova meta climática de redução entre 40-45% das emissões até 2030.
  • China – afirmou que pretende cooperar com os demais países na agenda climática, reforçou sua meta de alcançar a neutralidade climática antes de 2060 e anunciou que irá começar a diminuir o consumo de carvão no período de 2026 a 2030, de forma que ele seja zerado na China no pós-2030.
  • Estados Unidos – anunciou nova meta climática de corte de 50% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2030, sendo quase o dobro do compromisso adotado pelo ex-presidente Barack Obama para 2025. Para atingir a meta, o país pretende alcançar 100% de eletricidade livre de poluição de carbono até 2035, reduzir a poluição do setor de transporte e investir em inovação.
  • Japão – anunciou um novo compromisso de redução de 46% das emissões de GEE em 2030, mas visando para um corte de 50%. Também anunciou $11 bilhões em financiamento para outros países e $3 bilhões para o Fundo Verde do Clima, fundo existente no âmbito da Convenção – Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC).
  • Reino Unido – autor de uma das metas mais ousadas, assumiu novo compromisso climático que visa cortar as emissões de GEE em 78% até 2035.

A cúpula foi marcada, ainda, pelo lançamento da Lowering Emissions by Accelerating Forest Finance (LEAF) Coalition. A iniciativa visa mobilizar 1 bilhão de dólares para ajudar países que tenham florestas tropicais ou subtropicais a implementar ações para protegê-las, como, por exemplo, de combate ao desmatamento. A Coalizão já foi assinada, durante a conferência, por Estados Unidos, Noruega e Reino Unido, também contando com a iniciativa privada.

O representante brasileiro a se pronunciar foi o presidente Jair Bolsonaro, que confirmou a primeira meta brasileira perante o Acordo de Paris de reduzir 37% das emissões até 2025 e 43% até 2030 e anunciou novos comprometimentos, apesar de não especificar de que forma serão alcançados: 1- reforçar o apoio aos órgãos ambientais e duplicar os recursos financeiros para ações de fiscalização; 2 – acabar com o desmatamento ilegal até 2030, o que pode aumentar a meta de corte de 43% das emissões para 50%; e 3 – antecipar para 2050 a segunda meta brasileira perante o Acordo de Paris de neutralizar a emissões de GEE até 2060.

Segundo análise da BMJ – Consultores Associados, os anúncios do Reino Unido, Japão e Estados Unidos foram os mais ousados o que, ao lado da presença da China na conferência, demonstram a importância que as questões ambientais têm assumido nas relações internacionais.

O tema desmatamento continua sendo importante no discurso dos líderes globais, pois, além das próprias críticas às condutas brasileiras realizadas antes do encontro, vimos o lançamento do tema da Coalizão LEAF. A mudança do discurso brasileiro é uma resposta a essa pressão, pois, anteriormente, o presidente Bolsonaro falava que poderia antecipar as metas de neutralização climática se contasse com a ajuda internacional e, durante a Conferência, assumiu esse compromisso com recursos próprios.

Acesse o conteúdo completo da análise da BMJ sobre a Cúpula de Líderes sobre o Clima.

BMJ_Destaques_Cúpula_Líderes_Clima

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *