Em entrevista ao Panorama, Márcia Terra comenta sobre estratégias alimentares para o controle do diabetes e o combate de estigmas - Abiad

Em entrevista ao Panorama, Márcia Terra comenta sobre estratégias alimentares para o controle do diabetes e o combate de estigmas

1. Quais são os principais objetivos a serem considerados ao se desenvolver estratégias alimentares para pessoas com diabetes?

O objetivo do controle do diabetes é manter os níveis de glicose no sangue tão próximos do normal quanto possível. É importante também controlar a pressão arterial e os níveis de colesterol, pois o diabetes pode aumentar o risco de doenças cardíacas e arteriais. 

Na verdade, as principais estratégias alimentares para pessoas com diabetes são as mesmas para as pessoas não portadoras. Para manter o diabetes sob controle, deve-se adotar um padrão de alimentação saudável para melhorar a saúde geral.

Inicialmente, preciso salientar que todas as pessoas portadoras de diabetes devem consultar um nutricionista para uma recomendação individualizada. Aqui, falarei de forma geral. 

Para reduzir e controlar os níveis de açúcar no sangue, precisamos ter hábitos alimentares saudáveis e aumentar a atividade física. Fazer todas as refeições principais do dia, como café da manhã, almoço e jantar, e fazer lanches intermediários entre essas refeições. Manter uma regularidade nos horários dessas refeições também ajuda a manter a glicemia mais controlada. Assim, a recomendação é não ficar muito tempo em jejum e distribuir as calorias em todas as refeições. 

A dica é quanto mais colorida for sua alimentação, mais variada ela será. Adote a moderação ao comer, restringindo os açúcares e as gorduras. Procure comer devagar mastigando bem os alimentos e não se distrair com outras coisas como TV, computador e celular.

Existem vários tipos de classificação de grupos alimentares; aqui vou usar um que acho bem simples, que é feito pela função básica dos nutrientes. Nesse sentido, os alimentos podem ser classificados como energéticos, construtores e reguladores. 

No grupo dos energéticos ficam os carboidratos e as gorduras, com alimentos como cereais (arroz, aveia), batata, mandioca, farinhas, massas, pães, doces, nozes, castanhas, açúcar e óleos.

No grupo dos construtores ficam as proteínas animais, com alimentos como carnes de bovinos, suínos, aves e peixes, leite e derivados e ovos; e as proteínas de origem vegetal que são as leguminosas, com alimentos como feijões, soja, lentilha e grão de bico.

No grupo dos reguladores ficam as fibras, com alimentos como as hortaliças e as frutas.

As vitaminas e os minerais são conhecidos como micronutrientes e estão em maior quantidade nas frutas, legumes, verduras, carnes, leite e derivados, castanhas e nos cereais integrais. 

Infelizmente, não existe uma recomendação igual para todo mundo, porque elas variam de pessoa para pessoa, dependendo do peso, altura, idade, sexo, nível de atividade física e fases especiais da vida, como gestação, por exemplo.

Para portadores de diabetes, a dica é: no grupo dos energéticos, foque nos alimentos integrais, como arroz integral, cereais integrais, aveia, pães integrais e massas integrais. Evite o açúcar branco, o mascavo, o demerara e o mel. Nos óleos, dê preferência para o azeite de oliva e as nozes. 

No grupo dos construtores, foque nos alimentos com menos gordura como as carnes magras, aves sem pele, peixes, leite e derivados com menos gordura.

Nos Reguladores, você pode comer à vontade, pois todos os alimentos deste grupo possuem muito poucas calorias, poucos carboidratos e quase nada de gordura, além de possuírem muitas fibras, que são excelentes para o bom funcionamento intestinal e vitaminas e minerais, que são essenciais para o bom funcionamento de todos os órgãos do nosso corpo. Deste grupo, modere apenas no consumo de frutas, pois elas ajudam a aumentar a glicemia. E prefira comer a fruta inteira e não na forma de suco.

Pessoas portadoras de diabetes não precisam de alimentos especiais, mas podem incorporar alguns alimentos que fazem diferença na dieta. Existe no mercado uma variedade enorme de alimentos e bebidas adoçados com substitutos do açúcar, que são os adoçantes. 

Os adoçantes são substâncias doces, que quando consumidas, não impactam na glicemia. Eles são usados para adoçar bebidas e em uma série de produtos alimentícios. Seu consumo é seguro e todos os adoçantes comercializados no Brasil são aprovados pela Anvisa.

Você pode escolher o que mais gostar. Não há um melhor do que o outro, todos são bons e seguros. Mas atenção, não é porque um produto tem adoçante que ele não tem caloria, nem gordura. Por isso, quando for comprar um produto com adoçante, leia atentamente o rótulo para ver os outros ingredientes. Lembre-se, moderação também continua valendo para estes produtos.

2. Existem diferenças significativas nas recomendações nutricionais para o diabetes tipo 1 e tipo 2? Se sim, quais são essas diferenças e por quê?

Os dois tipos de recomendação devem ser feitos por nutricionistas. No diabetes tipo 1, a glicemia deverá ser monitorada diariamente, assim como a quantidade de carboidratos consumida. No entanto, isso não significa que sua vida vai ficar chata. Os planos alimentares elaborados por profissionais levam em consideração o seu estilo de vida, seus alimentos preferidos e seus horários de refeição.

Assim, você vai poder levar uma vida saudável, sem intercorrências com oscilações da sua glicemia. Mas é bom lembrar que não são só os alimentos que alteram a glicemia; a atividade física, a medicação que você usa e seu estado emocional também contribuem para alterações. No diabetes tipo 1, o esquema insulínico pode determinar o plano alimentar.

No diabetes tipo 2, é importante seguir a prescrição dietética do seu nutricionista. Basicamente, é manter uma dieta balanceada e os horários das refeições, evitando os alimentos ricos em carboidratos simples. Preste atenção à qualidade e à quantidade dos nutrientes, assim como ao horário das refeições.

3. Além do controle glicêmico, que outros benefícios para a saúde podem ser alcançados por meio de escolhas alimentares adequadas para indivíduos com diabetes?

Como falado anteriormente, seguindo uma dieta balanceada, você terá um padrão de saúde melhor. Uma dieta balanceada ajuda a:

  • Reduzir o risco de doenças cardiovasculares, o que é particularmente importante para pessoas com diabetes, que correm um risco maior de ter problemas cardíacos;
  • Controlar o peso, pois ajuda a melhorar o controle do açúcar no sangue e reduzir o risco de complicações.

Uma dieta balanceada e saudável também deve ser:

  • Pobre em gorduras saturadas, o que pode ajudar a melhorar os níveis de colesterol, reduzindo o risco de aterosclerose;
  • Pobre em sódio e rica em potássio, que pode ajudar a controlar a pressão arterial. A pressão alta é um problema comum em pessoas portadoras de diabetes e pode levar a complicações graves se não for controlada adequadamente;
  • Rica em fibras, que, além de ajudar na digestão, é benéfica para o controle do açúcar no sangue;
  • Rica em legumes, verduras, peixes, nozes e azeite de oliva, pode ajudar a reduzir a inflamação no corpo, o que é benéfico para o controle do diabetes.

Ao controlar os níveis de açúcar no sangue e manter uma dieta saudável, é possível reduzir os riscos de complicações de longo prazo, como neuropatia (danos nos nervos), retinopatia (danos aos olhos) e outros danos aos órgãos.

Com a glicemia controlada, a pessoa portadora de diabetes terá uma vida normal. Vale mencionar que, embora a dieta desempenhe um papel fundamental no controle do diabetes, ela deve fazer parte de uma abordagem mais ampla, que inclui atividade física regular, gerenciamento de medicamentos e acompanhamento regular com a equipe médica e de nutrição. Um sono de qualidade e o controle do estresse também contribuem para uma melhor qualidade de vida.

4. Com base em sua experiência, seria possível elencarmos os equívocos mais comuns que as pessoas têm em relação à nutrição e diabetes? Há alguma recomendação para corrigi-los?

Para mim, o principal equívoco é pensar que as pessoas portadoras de diabetes são proibidas de consumir determinados alimentos. Isso não é fato. Uma pessoa com diabetes pode consumir qualquer alimento, apenas precisa controlar aqueles que elevam a glicemia, e para estes existem equivalentes no mercado. Também, já ouvi que essas pessoas precisam consumir tudo natural.

Não sou contra nada natural, mas achar que alimento industrializado é ruim só porque saiu de uma fábrica é um grande equívoco. Hoje existe uma variedade enorme de alimentos industrializados que são excelentes para quem é portador de diabetes. Outro equívoco é em relação às frutas. Muitos portadores de diabetes acham que existem algumas frutas proibidas para elas. Todas as frutas podem ser consumidas, o que precisa ter em mente é a moderação, pois elas contêm frutose, que contribui para a elevação da glicemia.

Outro mito é que os refrigerantes sem açúcar fazem mal aos diabéticos. Isso é um dos grandes absurdos que vejo com frequência nas mídias sociais. Os refrigerantes dietéticos (feitos com adoçantes) não prejudicam de forma alguma os portadores de diabetes. Essa confusão é até compreensível, pois existem estudos científicos cujos resultados apontam para uma relação positiva entre o consumo de refrigerantes e diabetes. Mas, esses estudos são todos estudos observacionais, ou seja, não são estudos controlados. E o que acontece em todos esses estudos é um fator de confusão.

As pessoas preocupadas com peso e com o diabetes procuram consumir alimentos com adoçantes, pois querem reduzir o seu consumo de açúcar. Assim, não é o consumo de adoçante que leva ao diabetes, mas é o fato de a pessoa estar preocupada em cuidar do diabetes que a leva a consumir o adoçante. Em ciência, este fenômeno se chama causalidade reversa. Esse tipo de bebida ajuda, inclusive, a normalizar a vida social de um portador de diabetes.

5. Como lidar com as questões psicológicas associadas à dieta para diabetes, como restrições alimentares percebidas e estigmas?

O diagnóstico do diabetes impacta tanto a vida do portador como a de sua família. O importante é saber que, hoje em dia, existem recursos fantásticos para os portadores tipo 1 e medicamentos de última geração para o controle da glicemia no tipo 2. Além dos tratamentos, temos praticamente uma versão com adoçantes para todos os alimentos e bebidas doces que antes não eram recomendados para portadores de diabetes, por conterem açúcar.

Hoje, uma criança pode comer um brigadeiro diet com um refrigerante zero sem o menor risco. Muitos podem dizer: “Ah, mas isso não é saudável; é melhor a criança se acostumar com o sabor doce natural dos alimentos!”. Quem diz isso não tem, ou nunca conviveu com uma criança portadora de diabetes. O acesso a esse tipo de alimento dá à criança e ao jovem um sentimento de pertença.

O diabetes, hoje, com todos os recursos que temos, não precisa ser um estigma. Não há mais espaço para segregação ou preconceito, pois essas pessoas podem consumir todos os alimentos que desejarem. Uma criança portadora vai poder ter uma festa de aniversário com bolo de chocolate, bombom, brigadeiro, guaraná, Coca-Cola e tudo o mais que ela quiser, assim como uma criança não portadora.

6. Por fim, gostaria de acrescentar mais algum ponto?

O ser humano é o único animal que prepara sua comida. E é o único animal que se adapta a qualquer tipo de dieta, pois pode comer qualquer tipo de alimento. Por isso, para mim, não existe essa história de comida de verdade versus comida de mentira, comida natural versus comida industrializada. Comida é comida. A alimentação é muito mais do que consumir nutrientes.

Comer para nós humanos, além de suprir nossas necessidades de saúde, faz parte da nossa cultura. É por meio dela que celebramos laços de amizade e a paz. A comida traduz nossas raízes e nossa evolução. Aquelas pessoas que acham que não se deve lançar mão de alimentos modernos não reconhecem os benefícios que a tecnologia alimentar trouxe para nossas vidas. Muitos acham que antigamente se comia bem. Isso é uma falácia. Nossos antepassados comiam mal e morriam de desnutrição, de infecção e intoxicação alimentar por falta de higiene dos alimentos. A segurança de alimentos, que trata da qualidade dos alimentos, garante a segurança alimentar, que é a comida no prato.

Para mim, a principal regra é: tudo pode, mas com moderação. Acrescente alimentos nutritivos à sua dieta que naturalmente os menos nutritivos vão perder espaço. Não existem alimentos bons e ruins. O que existe são dietas desequilibradas e hábitos alimentares desajustados. Alimentação saudável é muito mais do que listas de alimentos permitidos e proibidos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *