Entrevista Vinicius Pedote, presidente ABIAD, 21/01/22 - Abiad

Entrevista Vinicius Pedote, presidente ABIAD, 21/01/22

Vinicius Pedote, presidente da ABIAD no mandato que se iniciou em 1º de janeiro, falou com a Panorama ABIAD sobre o que esperar da Associação nos próximos anos, legado e impacto das eleições nacionais neste ano.

PANORAMA – Talvez a principal pergunta que as empresas associadas tenham para você nesse momento seja: o que esperar do seu mandato?

VINICIUS – Costumo dizer que as expressões associadas à ABIAD têm sido: reforçar, expandir e ajustar. Não cheguei para mudar radicalmente ou criar algo do zero.

A ABIAD conquistou maturidade e merece uma estabilidade, e não uma revolução. Temos essa característica de mudar continuamente, reagindo ao cenário regulatório e às demandas das associadas.

É claro que sempre existe a oportunidade de inovar ou melhorar o que já funciona bem, e manteremos a atenção a essas situações.

Importante ressaltar que a ABIAD é parte do meu trabalho e dedico parte da minha rotina semanal à Associação.

PANORAMA – Você tem um longo histórico com a ABIAD. Como isso deve ajudá-lo como presidente?

VINICIUS – Participo das atividades da ABIAD há mais de 12 anos como representante de três diferentes empresas. Mudava de empresa, mas não saía da Associação. Em 2016 fui convidado a fazer parte do conselho fiscal e, nos últimos dois anos, fui Diretor Financeiro.

Antes disso, participei de diversos Grupos de Trabalho e liderei alguns GTs.

Conheço bem o setor, seja pela ABIAD ou pelas empresas, conheço o funcionamento da Associação e boa parte das empresas associadas. Acredito que isso me dê condições de executar um trabalho à altura do que é esperado de mim.

PANORAMA – Consegue definir seu estilo de liderança?

VINICIUS – Gosto de trabalhar como um líder facilitador. Meu principal papel é dar apoio para a equipe e remover qualquer tipo de obstáculo ou barreira para a realização dos objetivos.

PANORAMA – Quais devem ser seus primeiros passos ou primeiras atividades?

VINICIUS – Quero fazer uma avaliação bastante profissional com os principais stakeholders para entender suas expectativas e anseios. Isso deve envolver principalmente as empresas associadas, mas também demais indústrias de alimentos para fins especiais, algumas autoridades, especialmente da Anvisa, outras entidades parceiras e a equipe interna.

Além deles, quero conversar com fornecedores para conhecê-los melhor e saber como aproveitar ainda mais seus potenciais.

Também quero conhecer mais de perto os trabalhos de todos os GTs para entender o foco e desafios de cada um. Tenho histórico na ABIAD em GTs e Diretoria, mas como são muitas categorias abrangidas pela Associação, são muitos grupos bastante específicos que, nem sempre, pude acompanhar de perto.

E, mais do que uma atividade individual minha, quero trazer os demais membros da diretoria para essas conversas.

PANORAMA – Qual o principal legado deixado pela última gestão da ABIAD?

VINICIUS – A profissionalização da Associação é o grande legado das últimas diretorias, como a criação do comitê de ética e as iniciativas de compliance. Isso reflete a realidade das associadas.

Quando comecei a trabalhar com associações, há uns 25 anos, o ambiente era diferente. Era comum ouvir que “esse não é o ritmo de uma associação”, ou que “aquela não era a realidade de uma associação”. Hoje, a ABIAD tem um ritmo muito próximo daquele encontrado nas empresas e traz diversas rotinas e procedimentos comuns às associadas.

PANORAMA – E qual legado você pretende deixar?

VINICIUS – Fortalecer o crescimento e a percepção da ABIAD. Precisamos de mais associados, porque isso nos fortalece, mas temos que agir de forma bastante consciente, com qualidade e sustentabilidade. Trazer aquelas empresas que fiquem e possam contribuir com a ABIAD.

Melhor do que trazer 10 novas empresas e perder cinco, é trazer somente cinco e todas permanecerem com a gente.

PANORAMA – Quais os principais desafios externos que você deve enfrentar como presidente?

VINICIUS – Durante a pandemia, com a necessidade do uso de ferramentas virtuais para fazer reuniões e cursos, conseguimos nos aproximar de mais associadas e facilitar nosso relacionamento com outras entidades, especialmente a Anvisa.

Espero que o chamado “novo normal” seja melhor do que era o “antigo normal” nesse aspecto. Mas, vejo como um desafio essa organização para manter a comunicação com associadas sem perder o alcance e o engajamento obtido nos últimos dois anos.

Outro desafio externo é manter o foco, com critérios bastante claros, no engajamento em discussões. O ambiente regulatório está mais intenso do que nunca, com revisões de regulações ou desenvolvimento de novas. Temos que focar nos temas com maior impacto nas categorias representadas pela ABIAD.

PANORAMA – E os desafios internos?

VINICIUS – Se perguntamos para presidentes de qualquer empresa ou entidade, provavelmente vão dizer que os recursos existentes são sempre um desafio – falta pessoal, falta tempo e falta dinheiro para entregar tudo o que é necessário. Mas estamos em um momento muito bom na ABIAD. A equipe é bem estruturada, o que não ocorreu de um dia para o outro, mas foi construída durante anos.

Estamos em um momento superpositivo internamente.

PANORAMA – Estamos em um ano de eleições nacionais. Qual o impacto desse fato nas atividades da ABIAD?

VINICIUS – Os anos de eleições podem ter algum impacto, porque o ambiente regulatório tende a ficar mais calmo. “Calmo” não é necessariamente bom. Significa que o ritmo das discussões e aprovações diminui.

Mas, pelo histórico, as ações da Anvisa não costumam ser tão afetadas por eleições. Essa redução na velocidade dos trabalhos deve ocorrer principalmente em questões que dependem do Sendo e da Câmara de Deputados, o que interfere menos no nosso setor.

PANORAMA – Qual sua avaliação do posicionamento e atuação da ABIAD frente a outras associações?

VINICIUS – Sempre trabalhei muito próximo a associações desde o início da carreira, e desde 2015 tenho engajado também com associações fora do Brasil, pela América Latina. Posso afirmar que a ABIAD é uma referência, porque tem esse balanço muito bem-feito entre tamanho da estrutura e dedicação às categorias core.

Atualmente, trabalho com três associações no Brasil, cada uma com características distintas em termos de estrutura interna, papel da diretoria, e forma de relacionamento da associação com autoridades. A ABIAD tem destaque pela sua participação como representante de categorias críticas do ponto de vista regulatório e de percepção desses temas frente à população e às autoridades.

Conseguimos nos destacar no meio das associações. Não queremos competir com as demais, até porque elas costumam representar um maior número de categorias. Contamos com elas e elas contam com a ABIAD.