Como tudo começou

Panorama ABIAD conversou com Rodrigo Almeida, um dos fundadores da ABIAD e atual sócio sênior da BMJ Consultores Associados. Ele conta sobre o início da Associação, suas motivações e mudanças.

PANORAMA – Como você resume o início da ABIAD?

RODRIGO – Falar sobre a história da ABIAD é falar um pouco da minha história também. Entrei no mundo corporativo como executivo da Monsanto em 1984, e desde então atuo na área de assuntos corporativos e relações governamentais.

O ano de fundação da ABIAD, 1986, é um ano que nos remete ao Plano Cruzado, do então presidente José Sarney – plano que não deu certo. Nos remete, também, à 8ª Conferência Nacional de Saúde, que foi o embrião do Sistema Único de Saúde – SUS. No mesmo ano, tivemos o embrião do que é hoje o Mercosul, quando os presidentes do Brasil, José Sarney, e da Argentina, Raúl Alfonsín, firmaram uma série de acordos econômicos em Buenos Aires.

Foram acontecimentos marcantes na política e na economia do Brasil naquela época.

PANORAMA – O que motivou o surgimento da Associação?

RODRIGO – Para mim, ou para a empresa que eu representava, a ABIAD nasceu de uma necessidade que tínhamos de desenvolver um mercado de adoçantes e de bebidas dietéticas. Não existia isso no Brasil, o que era um problema especialmente para os diabéticos. Era muito comum as pessoas trazerem na mala de suas viagens internacionais, latas de refrigerantes diet. Impressionante esse tipo de situação, né?

Naquele momento, vislumbrávamos a possibilidade de termos uma associação que desse guarida às questões, não só dos adoçantes artificiais, mas também a outros alimentos para fins especiais. A ABIA já existia, mas estava envolta em outros temas muito mais importantes e urgentes para a indústria de alimentos como um todo e não conseguia abraçar os temas específicos dos alimentos para fins especiais.

PANORAMA – Quem fazia parte desse grupo inicial que fundou a ABIAD em 1986?

RODRIGO – Consigo me lembrar do nome de alguns, mas havia outras pessoas também, que foram igualmente importantes. Então, Franco Lajolo, Aldo Baccarin, Eliane Miyazaki, Silvio Yokoyama, Ary Bucione, Moses Benzaquen são alguns dos nomes que me lembro daquela época. São pessoas que forjaram a ABIAD em um momento muito difícil, porque era um momento econômico complexo, e havia a necessidade de a indústria de alimentos para fins especiais ter voz própria.

PANORAMA – Como enxerga esse passado e sua participação na história da ABIAD?

RODRIGO – Uma das minhas maiores alegrias foi ter participado do início da ABIAD em 1986. Hoje, 35 anos depois, vemos a ABIAD como uma Associação forte, que tem voz, que tem presença nos principais fóruns e tem presença em Brasília.

Agora, depois de 30 anos na indústria, é muito gratificante trabalhar para a ABIAD como consultor.

Quero parabenizar a entidade por todo esse tempo de atuação e desejar sucesso nos próximos, pelo menos, 35 anos que virão.

Rodrigo Almeida

Sócio sênior da BMJ Consultores Associados.